sexta-feira, 20 de maio de 2016

Análise de Balanços de seguradoras - Parte 5: Índices de Endividamento



    Índices de Endividamento

Os índices de endividamento demonstram o grau de capital de terceiros – contas do passivo circulante e do não circulante – no financiamento das atividades operacionais de cada organização ou empresa.


Endividamento geral ou total
Fórmula padrão a ser utilizada para o Endividamento Total (que neste trabalho é abreviado para ET) é dada a seguir:


Segundo Iudícibus (2012), ¨ estes quocientes relacionam as fontes de fundos entre si, procurando retratar a posição relativa do capital próprio com relação ao capital de terceiros,¨ indicando a participação do ativo total financiada pelos recursos provenientes de terceiros. Seu resultado indica o montante dos recursos a serem devolvidos pu pagos para terceiros que estão em uso na empresa, com o intuito de gerar lucros.
Sabendo-se que quanto maior o endividamento maior será a possibilidade de que a empresa não consiga pagar as obrigações com terceiros, este indicador vem a servir como termômetro para se determinar o limite sadio de até que ponto a empresa pode se comprometer. Se o grau de endividamento for igual a um, a empresa operaria em estado de situação nula, se maior que um, a empresa seria insolvente – isto é, incapaz de quitar suas obrigações –, estaria em estado de passivo a descoberto.


ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO
FÓRMULA
2.010
2.011
2.012
2.013
2.014
Endividamento
ET = (PC+ELP)/ATIVO
0,77
0,75
0,76
0,75
0,75


Garantia de capital de terceiros
Fórmula utilizada para a garantia de capital de terceiros (GT):
Indica que, para cada real (R$) de dívidas com terceiros totais (PE), existem valores de Capital Próprio (PL); quanto maior for o capital próprio, maior segurança haverá para os credores que emprestam capital para a empresa.
Se GT=1, por exemplo, significa que Patrimônio Líquido é igual a Passivo Exigível, logo o ativo é constituído por financiamentos próprios e de terceiros em idêntica proporção.

ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO
FÓRMULA
2.010
2.011
2.012
2.013
2.014
Garantia de capital de terceiros
GT = PL/(PC+ELP)
0,31
0,33
0,31
0,33
0,32

A Fórmula utilizada para se encontrar a chamada garantia de capital de terceiros (GT) apresenta variações em sua estrutura. Inicialmente, pode ser obtida focando-se no patrimônio próprio, o que significa que o objetivo passa a ser relacionar o montante de dívidas de com os donos contra as dívidas totais, mas também pode ser usada para obter o resultado inverso – aqui abreviada como GT2. A saber:
Neste caso, se GT2 é igual a 1,00 significaria que para cada R$ 1,00 de dívidas totais para com terceiros, a empresa dispõe de patrimônio próprio (isto é, capital e lucros, basicamente) também de R$ 1,00.
A equação da forma como é apresentada Indica que, para cada R$ 1,00 de dívidas para com terceiros no circulante mais o não circulante (PE1 ou PC mais ELP), existem valores de patrimônio que não serão cobrados (PL); quanto maior for o capital próprio, maior segurança haverá para os credores que emprestam capital para a empresa.

ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO
FÓRMULA
2.010
2.011
2.012
2.013
2.014
Garantia de capital de terceiros 2
GT2 = (PC+ELP)/PL
3,26
3,05
3,25
3,00
3,08


Relação de dívidas de curto prazo com dívidas totais com terceiros
O índice de dívidas de curto prazo (Passivo Circulante) com dívidas para terceiros totais (exigíveis no curto e longo prazos), também conhecido por “quociente” tem a seguinte fórmula:
Indica que, quanto possui de curto prazo (PC) e longo prazo (ELP) para cada real (R$) de dívidas totais com terceiros (PE).


ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO
FÓRMULA
2.010
2.011
2.012
2.013
2.014
Composição do Endividamento
QUOCIENTE = PC/(PC+ELP)
0,90
0,91
0,93
0,94
0,95
Segue gráfico resumindo os índices de endividamento:




1PE, Passivo Exigível, ou seja, todo o lado passivo que será cobrado por terceiros.