quarta-feira, 22 de junho de 2016

O Ponto de Equilíbrio na Inflação


Vamos continuar nossas postagens sobre o ponto de equilíbrio, sendo que nesta abordaremos os cálculos para a inflação. Seguindo mais uma vez o livro de Martins (1990) tem-se que de uma empresa iniciar um período com a seguinte estrutura patrimonial e de Custos:

Quadro 1






Em milhões de R$
Ativo Circulante
600
Passivo Circulante
300
Ativo Permanente
800
Exigível L Prazo
200




Patrimônio Líquido
900
Total
1.400
Total
1400
Sendo que:
  • Custos + Despesas Variáveis: 60% das Vendas e;
  • Custos + Despesas Fixos: R$ 400 por ano
E supondo que haja uma expectativa de inflação de 25% no ano (os Valores Fixos já incorporaram essa provisão) e que a empresa deseja um retorno real mínimo de 8% sobre o Patrimônio Líquido inicial, temos:
O PL terá que crescer 25% para continuar igual ao inicial:






Com isso ocorre crescimento real quando suplantar esse valor e para o mínimo esperado de 8% deverá ser igual, no final do ano a R$ 1.215 (1.125 vezes 1,08). Depois, o Ativo Permanente ao ser corrigido fará com que o Patrimônio Líquido seja aumentado: R$ 800 vezes 0,25 = R$ 200. E assim temos que:
Quadro 2
Patrimônio líquido necessário no final
R$ 1.215
(-) Patrimônio Líquido existente
(R$ 900)
Aumento total necessário no ano
R$ 315
(-) Parte do aumento propiciada pela correção do Ativo Permanente
(R$ 200)
(=) Parte a ser conseguida por lucro histórico durante o ano
R$ 115
Como explica Martins (1990: 235) esse é o valor mínimo de lucro que a empresa necessita antes das correções, a ser obtido como diferença entre receitas e despesas totais do exercício. E continua: “é necessário que se obtenha os R$ 400 de Custos e despesas fixas mais os R$ 115, a partir da Margem de Contribuição de 40% das vendas (MARTINS, 1990)”, uma vez que os custos e despesas variáveis representam 60% das receitas. Assim temos que 40% das vendas é igual a R$ 515 e que:






Com isso, tem-se o mínimo necessário de vendas para se conseguir um crescimento real de pelo menos 8% ao ano, conforme comprovado a seguir:
Quadro 3
Vendas
R$ 1.287,5
(-) Custo e Despesas Variáveis
(R$ 772,5)
(=) Margem de Contribuição
R$ 515
(-) Despesas Fixas
(R$ 400)
(=) Lucro Histórico
R$ 115




Patrimônio Líquido Inicial
R$ 900
(+) Correção do Ativo Permanente
R$ 200
(+) Lucro Histórico
R$ 115
(=) Patrimônio Líquido Final
R$ 1.215
Sendo que o crescimento real em moeda é assim calculado: R$ 1.215 – R$ 900 x 1,25 = R$ 90. E que o crescimento percentual é calculado pela seguinte forma:






E seguindo a forma de apuração da antiga Lei das Sociedades por Ações (Lei das S.A’s) ter-se-ia exatamente o seguinte:
Quadro 4


Lucro Histórico


R$ 115
(-) Correção do Patrimônio Líquido
R$ 900 x 0,25
(R$ 225)
(+) Correção do Ativo Permanente
R$ 800 x 0,25
200
(=) Lucro Corrigido


90