quinta-feira, 16 de junho de 2016

Exercício: Análise de Balanços para tomada de decisão


    Análise de Balanços

Neste tópico resolveremos um exercício que envolve a matéria de análise de Balanços. Trata-se de uma questão um pouco longa e meio trabalhosa e nos pareceu bastante útil trazê-la para cá. Mas antes de continuar informamos que todo o planejamento do enunciado não é de nossa autoria, mas sim da Professora Mestra Divane A. Silva, docente da Disciplina de Análise de Balanços da Universidade paulista Unip. O presente exercício chegou até nossas mãos por meio de uma amiga que na época (em março de 2015) cursava o primeiro bimestre do curso de Ciências Contábeis na citada Universidade e nos procurou para ajudá-la na resolução deste trabalho acadêmico. 

Então nós indicamos os caminhos para a resolução do problema e agora, cerca de um anos após a entrega nos pareceu interessante a sua divulgação, para ajudar demais estudantes que estejam com dúvidas.
Então agora sim, vamos ao tão esperado exercício:



Analisar e responder às solicitações, tomando como base a seguinte situação: O Sr. Raimundo, gerente do Banco Pequenos Negócios S.A, recebeu um relatório sobre a posição financeira da empresa do Sr. Antônio, a Comércio de Roupas Boas Ltda. O Sr. Antônio está no mercado há mais de dez anos e após alguns cursos que fez sobre gestão empresarial, identificou que alguns quesitos são imprescindíveis para ampliação de um negócio empresarial, entre eles: inovação e bom atendimento. Após várias reuniões com a sua contadora, a Sra. Márcia, sobre a ampliação de sua empresa, recebeu um quadro contendo informações sobre a posição financeira, com a seguinte mensagem:



Sr. Antônio,
Envio o quadro solicitado sobre a posição financeira da Comércio de Roupas Boas Ltda., de acordo com as Demonstrações Financeiras recebidas.
Att.
Márcia Trindade



Quadro – Posição financeira da empresa “Comércio de Roupas Boas Ltda.”.
Índices
2013
2014
Liquidez


Imediata
1,45
1,78
Corrente
2,18
2,31
Seca
1,25
1,41
Geral
2,46
2,69
Endividamento


Composição das exigibilidades
1,04
0,97
Participação de capital de terceiros
3,4
2,41
Imobilização do patrimônio líquido
1,03
0,95
O Sr. Antônio, após analisar o quadro sobre a posição financeira de sua empresa, dirige-se ao Banco Pequenos Negócios S.A. levando as Demonstrações Financeiras (base para a elaboração do quadro efetuado pela Sra. Márcia) e solicita ao gerente, o Sr. Raimundo, um financiamento por volta de R$ 370.000,00 (trezentos e setenta mil reais) para pagamento em curto prazo, pois pretende ampliar a sua empresa. O Sr. Antônio almeja a construção de mais duas lojas.



Pede-se:
Você, no papel do Sr. Raimundo, gerente do Banco Pequenos Negócios S.A., concederia o financiamento almejado pela Comércio de Roupas Boas Ltda.?
A resposta deverá ser apresentada por meio de um Relatório que explique a finalidade de cada índice mencionado no quadro, inclusive a justificativa da resposta apresentada.
Resolução:
Como no enunciado da questão não foram apresentadas as Demonstrações Contábeis que deram origem aos índices acima, a análise e consecutiva resposta quanto à liberação ou não do recurso se baseará exclusivamente no que os índices representam. Tomando por foco apenas os índices apresentados a decisão a ser tomada é que SIM, seria concedido o financiamento para o comércio e os motivos são apresentados a seguir:

      Liquidez favorável e crescente igual a capacidade de pagamento de dívidas

Liquidez Imediata (LI): Para obter o valor que expressa à composição do índice de liquidez imediata foi utilizado à seguinte fórmula tradicional: LI = DISPONÍVEL/PC. Este índice expressa a fração de ativos rapidamente conversíveis em moeda corrente que a empresa dispõe para saldar cada R$ 1,00 de suas dívidas. É desejável a tendência “Quanto maior melhor”.
Os resultados da empresa apresentaram aumento do ano de 2013 para o de 2014, indicando que no primeiro momento dispunha-se de R$ 1,45 para o pagamento de cada R$ 1,00 de dívidas e após R$ 1,78 para R$ 1,00 de dívidas. Com esses valores bem simples a empresa demonstrou que poderia pagar suas dívidas mais urgentes usando apenas os recursos em conta corrente, aplicações e no próprio caixa. Dessa forma, um empréstimo de R$ 370,000,00 no passivo circulante poderia até inverter o índice de liquidez imediata num primeiro momento, uma vez que haveria injeção de recursos no Passivo Circulante. Mas por outro lado, o dinheiro sendo investido em novas duas lojas retornaria com a receita – o que aumentaria mais uma vez as disponibilidades -, julgando que os novos empreendimentos teriam o mesmo desempenho da matriz nos anos de 2013 e 2014.
Liquidez Imediata: DISPONÍVEL / PASSIVO CIRCULANTE
2013
2014
Resultado maior que um nos dois anos demonstra que a empresa tem recursos financeiros suficientes para pagar suas dívidas de curto prazo e isso apresentou melhora de um ano para outro, um aumento de 22,76% no índice.
1,45
1,78

+
22,76%


1,2276
Mas sabendo que o total de ativos circulantes financeiros (caixa, bancos e aplicações) dividido pelo passivo circulante resulta em 1,78 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


PC x 1,78 = DISPONÍVEL, logo, R$ 100,00 de passivo (só exemplo) x 1,78 = R$ 178,00 de disponível
Liquidez Corrente (LC): Para obter o valor que expressa à composição do índice de liquidez corrente foi utilizado à seguinte fórmula: LC = AC/PC. Este quociente relaciona quantos reais dispomos imediatamente disponíveis e conversíveis em curto prazo em dinheiro, com relação às dívidas de curto prazo. É um índice muito divulgado e frequentemente considerado como o melhor indicador da situação de liquidez da empresa. É preciso considerar que no numerador estão incluídos itens tão diversos como: disponibilidades, valores a receber á curto prazo, estoques e certas despesas pagas antecipadamente. No denominador estão incluídas as dívidas e obrigações á curto prazo. Esse índice mostra quanto à empresa possui de Ativo Circulante para cada $ 1,00 de Passivo Circulante.
O parâmetro é de que “Quanto maior melhor”. Para se calcular a liquidez corrente, divide-se o Ativo Circulante pelo Passivo Circulante. Ativo Circulante é composto pelos valores de giro ou de movimentação da entidade. De acordo com a Lei das Sociedades por Ações estão contidas as disponibilidades, os direitos realizáveis no curso do exercício social subsequente e os valores aplicados em despesas do exercício seguinte. Por este índice podemos ver se a empresa está tendo condições de honrar com suas dívidas em curto prazo. Podemos saber também se a empresa precisará fazer empréstimos, por exemplo.
De acordo com os dados fornecidos no enunciado, os índices de liquidez corrente apresentaram variação de 2,18 para 2,31, respectivamente, em 2013 e 2014. Isso demonstra que a evolução no grupo do ativo circulante quando comparado ao seu oposto, o passivo circulante. De modo geral, quando a empresa dispunha de R$ 2,31 em seu caixa, bancos, saldo a receber de clientes e estoques (podendo ser vendidos para a geração desse dinheiro), o montante de dívidas não passaria de R$ 1,00.
Assim como na liquidez imediata, a entrada de um passivo de R$ 370,000,00 a título de empréstimo alteraria os resultados mas não de forma tão intensa, uma vez que o passivo circulante poderia ser compensado por um estoque de mercadorias também maior, bem como a injeção de recursos em conta corrente para a formação de rendimentos financeiros. Uma razão para continuar a manutenção da supremacia do ativo circulante está no fato de que dificilmente a empresa usaria a totalidade do dinheiro tomado na compra de ativos não circulantes (máquinas, construções, veículos), uma vez que isso não geraria retorno imediato como um estoque – que há um giro muito maior – e também são seria viável o seu financiamento com recursos que logo serão cobrados.
Liquidez Corrente: ATIVO CIRCULANTE / PASSIVO CIRCULANTE
2013
2014
Resultado maior que um nos dois anos demonstra que a empresa tem recursos circulantes suficientes para pagar suas dívidas de curto prazo e isso apresentou melhora de um ano para outro, um aumento de 5,96% no índice.
2,18
2,31

+
5,96%


1,0596
Mas sabendo que o total de ativos circulantes totais (caixa, bancos e aplicações) dividido pelo passivo circulante resulta em 1,78 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


PC x 2,31 = AC, logo, R$ 100,00 de passivo (só exemplo) x 2,31 = R$ 231,00 de Ativos no circulante (caixa, bancos, clientes, estoques)
Liquidez Seca (LS): Para obter o valor que expressa à composição do índice de liquidez seca foi utilizado à seguinte fórmula: (AC – ESTOQUE) / PC. A liquidez seca é calculada deduzindo-se os estoques do ativo circulante e dividindo-se pelo passivo circulante. Este índice evidencia quanto à empresa possui de Ativo Líquido para cada $ 1,00 de Passivo Circulante. Ou seja, “Quanto maior melhor”. Esta é uma variante muito adequada para se avaliar conservadoramente a situação de liquidez da empresa. Eliminando-se os estoques do numerador, esta sendo eliminando uma fonte de incerteza. Por outro lado, eliminam-se as influências e distorções que a adoção deste ou daquele critério de avaliação de estoques poderia acarretar, principalmente se os critérios foram mudados ao longo dos períodos.
Permanece o problema dos prazos do ativo circulante (no que se refere aos recebíveis) e do passivo circulante. Em certas situações, pode-se traduzir num quociente bastante conservador, visto a alta rotatividade dos estoques. O quociente apresenta uma posição bem conservadora da liquidez da empresa em determinado momento, sendo preferido pelos emprestadores de capitais.
Para este índice a empresa também apresentou melhora, um aumento de 12,8% do ano de 2013 para o de 2014, quando se retira do cálculo o item que mais demora para virar dinheiro no ativo circulante. De modo geral, apenas observado os resultado do cálculo, a entrada de um empréstimo de R$ 370,000,00 poderia alterar a boa situação de liquidez se a maior totalidade do recurso for aplicada em mercadorias, para o caso de se manter com aplicações circulantes, ou em bens duráveis.
Liquidez Seca: (ATIVO CIRCULANTE – ESTOQUE) / PASSIVO CIRCULANTE
2013
2014
Resultado maior que um nos dois anos demonstra que a empresa tem recursos circulantes suficientes para pagar suas dívidas de curto prazo e isso apresentou melhora de um ano para outro, um aumento de 12,8% no índice.
1,25
1,41

+
12,80%


1,128
Mas sabendo que o total de ativos circulantes financeiros mais líquidos do grupo (caixa, bancos e aplicações) dividido pelo passivo circulante resulta em 1,41 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


PC x 1,41 = AC, logo, R$ 100,00 de passivo (só exemplo) x 1,41 = R$ 141,00 de Ativos no circulante financeiro e direitos a receber.
Por essa equação pode-se determinar um possível valor para o estoque e clientes: Se (AC – x) / PC = 1,41 e AC = R$ 231,00, logo, (R$ 231 – x) / 100 = 1,41, então 141 = 231 – x e; 231 – 141 = x = R$ 90 de estoque em 2014.
Liquidez geral (LG): Para obter o valor que expressa à composição do índice de liquidez geral foi utilizado à seguinte fórmula: LG = (AC+RLP)/(PC+ELP) . Evidencia-se por este índice quanto à empresa possui de Ativo Circulante + Realizável à Longo Prazo para cada R$ 1,00 de dívida total. Seu parâmetro diz que “quanto maior melhor”.
Os resultados obtidos pelo cálculo do índice de liquidez geral da empresa demonstram a relação mais completa dos ativos que tem liquidez contra os que tem origens em recursos de terceiros e em algum momento serão exigíveis. Ao se retirar os ativos de caráter permanente obtém-se o quadro do resultado “o que devo contra o que tenho disponível para pagar”. Os bons resultados e ainda a melhora de quase 10% de uma ano para outro resume a boa capacidade da empresa de pagar dívidas tanto de curto quanto longo prazos com os recursos de suas operações, podendo pagar duas vezes a mesma dívida com o dinheiro que tem à sua disposição.
Liquidez Geral: (ATIVO CIRCULANTE + REALIZÁVEL LONGO PRAZO) / PASSIVO CIRCULANTE
2013
2014
Resultado maior que um nos dois anos demonstra que a empresa tem recursos circulantes financeiros e a receber de clientes suficientes para pagar suas dívidas de curto prazo e isso apresentou melhora de um ano para outro, um aumento de 9,35% no índice.
2,46
2,69

+
9,35%


1,0935
Mas sabendo que o total de ativos circulantes financeiros (caixa, bancos e aplicações) dividido pelo passivo circulante resulta em 1,41 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


PC x 1,41 = AC, logo, R$ 100,00 de passivo (só exemplo) x 2,69 = R$ 269,00 de Ativos no circulante financeiro e direitos a receber.
Por essa equação pode-se determinar um possível valor para Realizável no Longo Prazo: Se (AC + x) / PC = 2,69 e AC = R$ 231,00, logo, (R$ 231 + x) / 100 = 2,69, então 269 = 231 + x = 269 – 231 = R$ 38 de ativo realizável no longo prazo em 2014.


      Endividamento favorável e em queda igual a menos endividamento tanto no capital de terceiros de curto prazo quanto de imobilizações

Composição das exigibilidades (CE) . Verifica a relação de dívidas de curto prazo (PC) com dívidas totais com terceiros (PE): Fórmula utilizada: PC / (PC + ELP) . Indica que, quanto possui de curto prazo (PC) e longo prazo (ELP) para cada real (R$) de dívidas totais com terceiros (PE). Analisando-se a forma matematicamente, conceitua-se que bons resultados devem ser menores que 1 (um), pois indica que há divisão da proporcionalidade das obrigações entre o longo e o curto prazo. Assim, quanto mais próximo o resultado da equação está de 0,50, mais equilibrada está a composição da dívida da empresa. Para a empresa desta questão, em 2014 conseguiu resultado menor que um, o que significa que o passivo exigível no curto prazo é menor que o de longo mais ele mesmo, porém, não tão menor assim.
Numericamente falando, para um resultado de 0,97 significa que a parte de cima da divisão (PC) deve representar 97% da parte de baixo, que é a soma dos passivos exigíveis. Assim, apenas substituindo as variáveis por números, tem-se que 97 por 100 é o mesmo que 97 dividido por 97 mais alguma coisa, ou seja, 3 (três) de passivo exigível no longo prazo.
Um empréstimo no valor de R$ 370,000,00 no passivo circulante acaba obrigatoriamente invertendo a situação do índice no momento de sua liberação, uma vez que isso aumentaria apenas a parte do passivo circulante da empresa. Porém, se mantida a boa organização que consolidou os índices de liquidez nos anos de 2013 e 2013, a empresa poderá usar o recurso extra em primeiro lugar, para bancar os gastos pré-operacionais antes que as duas novas unidades estejam a pleno vapor. 
Nesse momento a empresa deverá, logicamente, ter gastos com itens de custo mais caro com os novos investimentos (compra de maquinários e do galpão ou ponto para as unidades, se não escolher por um aluguel). Para o caso da aplicabilidade do recurso tomado em ativos permanentes, deverá escolher por financiá-los para pagamentos no longo prazo, o que deixará as contas novamente em equilíbrio.
Composição das Exigibilidades: PASSIVO CIRCULANTE / (PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO EXIGÍVEL NO LONGO PRAZO)
2013
2014
Resultado que demonstrou queda do ano de 2013 para o de 2014 e como o índice apresenta o conceito “quanto menor melhor”, o entendimento é que a empresa apresentou melhora na opção de seus investimentos, escolhendo por dividir suas obrigações para o longo prazo, que tem custos menores e os prazos para pagamentos são mais elásticos.
1,04
0,97


-6,73%


0,9326923077
Mas sabendo que o total de passivos circulantes financeiros (empréstimos, salários e ordenados, fornecedores, contas diversas que tem o seu vencimento até o término do exercício social subsequente) dividido pelo próprio passivo circulante mais o passivo de longo prazo (isto é, o que tem prazo maior que o término do próximo exercício social a) resulta em 0,97 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


PC/(PC+x)=0,97, sendo que PC x 0,97 =(PC + x); logo, atribuindo em valor de exemplo de R$ 100,00 de passivo circulante (para combinar com o que foi utilizado nos outros índices para a projeção do balanço) x 0,97 = R$ 97,00 = (100 + x). Assim, 100 – 97 = R$ 3,00 de passivo exigível no longo prazo. Para o cálculo mais adiante, será utilizado o valor de R$ 3,09, por questão de arredondamento e coesão com os demais grupos já calculados.
Por essa equação pode-se determinar que o valor da relação do índice para o passivo que será cobrado além de 31 de dezembro de 2015 será R$ 3,00, sendo que se dividir R$ 100,00 de passivo circulante pela soma de passivo circulante mais não circulante (de R$ 3,00) gera-se a equação: 100 / (100 + 3) = 0,97
Participação do Capital de Terceiros (PCT): Fórmula utilizada: (PC + ELP) / PL. Indica que, quantos existem de capital de terceiros ou também conhecidos passivos exigíveis (PE) p/ cada real de (R$1,00) de capital próprio constante no Patrimônio Líquido (PL). Se PCT=1, significa que Patrimônio Líquido é igual a Passivo Exigível, logo o ativo é constituído por financiamentos próprios e de terceiros em idêntica proporção.
É preciso salientar que endividamento não é ruim. O problema está na qualidade do endividamento, isto é, se é saudável ou não. Para uma empresa estar endividada significa que está investindo em novas atividades ou operações. Todavia, o quadro apresentado pela empresa não é totalmente satisfatório, uma vez que demonstra que a maior parte de suas origens vem de fontes que vão querê0las de volta em algum momento futuro. Toma-se isso com o fato de que o custo do capital de é alto, tanto para o terceiro quanto para o sócio da empresa.
Se por um lado, o terceiro vai querer a sua parte em forma de juros altos (no caso de financeiras), o sócio vai querer que seu investimento apresente retorno igual ou maior ao que ele ganharia se aplicasse seu recurso em outras alternativas de aplicação (bolsas de valores, por exemplo).
Participação do Capital de Terceiros: (PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO EXIGÍVEL NO LONGO PRAZO) / PATRIMÔNIO Líquido
2013
2014
O resultado, que diminuiu de um ano para outro, é resposta da empresa de que ela diminuiu a utilização de recursos de terceiros como fonte de seus investimentos em 29,12%. Se antes, a proporção era de mais de R$ 3,00 de terceiros para cada real próprio, em 2014 passou a ser de pouco mais de dois reais, mais que o dobro. Em linhas gerais, em 2014 mais de 70% as origens de recursos veio de terceiros, isto é, governo, funcionários, instituições financeiras. É um endividamento alto mas se comparado com o ano anterior, de apresentou melhora na estrutura das dívidas.
3,4
2,41


-29,12%


0,7088235294
Tendo-se em vista que o total de capital de terceiros, exigíveis, dividido pelo capital próprio resulta em 2,41 em 2014 pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


(PC + ELP) / PL = 2,41, sendo que PC = 100,00 e ELP = 3,09 tem-se que o PL é igual a 103,09 / 2,41. Logo, o Patrimônio Líquido é igual a R$ 42,78.
Por essa equação pode-se determinar um possível valor para o atino não circulante de caráter permanente, apresentado a seguir.
Imobilização do Patrimônio Líquido (IPL): Fórmula utilizada: ATIVO PERMANENTE / PL. Indica quanto do PL estão aplicados no AP e Quanto do PL estão aplicados no restante do ativo (Ativo Circulante + Ativo Realizável no Longo Prazo).
Imobilização do Patrimônio Líquido: ATIVO PERMANENTE / PATRIMÔNIO LÍQUIDO
2013
2014
Resultado maior que um nos dois anos demonstra que a empresa tem usado uma grande parte de seu capital próprio em recursos que não vão gerar retorno tão cedo. Os montantes imobilizados, isto é, investidos em ativos fixos e que apenas são usados nas atividades operacionais. Em 2013 a empresa mantinha mais de 100% de seu capital em ativos permanentes.
1,03
0,95


-7,77%


0,9223300971
Sabendo que o total de ativos circulantes que formam o permanente (bens tangíveis como veículos, construções, máquinas, móveis e intangíveis) dividido pelo capital próprio da empresa resulta em 0,95 em 2014, pode-se exemplificar a relação com números, como por exemplo:


AP / PL = 0,95, sendo que o PL é igual a 42,78. Com isso, 0,95 x 42,78 = 40,64 de ativo permanente.
E após os cálculos obtemos os seguintes valores de saldos de grupos:
GRUPOS
2013
2014
AC
R$ 218,00
R$ 231,00
AELP
R$ 28,00
R$ 38,00
DISPONÍVEL
R$ 145,00
R$ 178,00
ATIVO
R$ 275,13
R$ 309,64
CLIENTES
-R$ 20,00
-R$ 37,00
ESTOQUES
R$ 93,00
R$ 90,00
PASSIVO TOTAL
R$ 124,43
R$ 145,87
PNC
-R$ 3,85
R$ 3,09
PL
R$ 28,28
R$ 42,78
IMOBILIZADO
R$ 29,13
R$ 40,64
LUCRO
R$ 0,00
R$ 0,00
PC
R$ 100,00
R$ 100,00
E após os Cálculos obtemos os seguintes valores para O Balanço Patrimonial:
BALANÇO PATRIMONIAL
2013
2014
ATIVO
R$ 275,13
R$ 309,64
ATIVO CIRCULANTE
R$ 218,00
R$ 231,00
DISPONÍVEL
R$ 145,00
R$ 178,00
Disponível geral
R$ 145,00
R$ 178,00
REALIZÁVEL
R$ 73,00
R$ 53,00
CRÉDITOS
-R$ 20,00
-R$ 37,00
Clientes
-R$ 20,00
-R$ 37,00
ESTOQUES
R$ 93,00
R$ 90,00
Estoques
R$ 93,00
R$ 90,00
NÃO CIRCULANTE
R$ 57,13
R$ 78,64
REALIZÁVEL
R$ 28,00
R$ 38,00
Clientes não circulante
R$ 28,00
R$ 38,00
PERMANENTE
R$ 29,13
R$ 40,64
Imobilizado
R$ 29,13
R$ 40,64
TOTAL DO ATIVO
R$ 275,13
R$ 309,64
PASSIVO E PL
R$ 124,43
R$ 145,87
CIRCULANTE
R$ 100,00
R$ 100,00
Diversos
R$ 100,00
R$ 100,00
NÃO CIRCULANTE
-R$ 3,85
R$ 3,09
Empréstimos LP
-R$ 3,85
R$ 3,09
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
R$ 28,28
R$ 42,78
CAPITAL
R$ 28,28
R$ 42,78
Capital Social
R$ 28,28
R$ 42,78
LUCRO/PREJUÍZOS
R$ 0,00
R$ 0,00
Lucro do exercício
R$ 0,00
R$ 0,00
TOTAL DO PASSIVO
R$ 124,43
R$ 145,87
Diferença
R$ 150,69
R$ 163,77
E como isso terminamos o exercício.