terça-feira, 19 de abril de 2016

Você conhece o Ubuntu?

Uma boa hora para testar algo novo

Quando você estava muito bem-acostumado ao Windows 7 ficou meio perdido ao ter que migrar para o Windows 8 ou 8.1, com aquela interface com blocos coloridos? Deve ter notado que no Windows 8 você não conseguiria abrir o seu Windows Explorer e deixá-lo num canto e em seguida abrir a calculadora e deixá-la com tamanho normal (pequena) no outro canto, não é? Foi uma mudança e tanto, não foi? Em 2015 a Microsoft apresentou ao mundo o seu novo sistema operacional: o Windows 10, algo que desta vez dificultaria em muito a pirataria, além de estar envolvida em denúncias de espionagem ao usuário. Conte isso ao fato que o sistema por ser novo é cheio de falhas. Não seria uma boa hora para dar uma chance ao Linux?

Tá, mas são milhares de sistemas operacionais construídos sobre o Kernel Linux, então qual escolher para fazer uma decisão certa e não se arrepender futuramente? Vemos por aí o Debian, Fedora, Arch Linux, Gentoo, OpenSUSE... Então que tal escolher a distro mais usada no mundo: o Ubuntu.

Bem vindo ao Ubuntu!

Usar o Ubuntu, embora o que as pessoas digam, não é como ter que aprender a andar de novo! Por exemplo quando você abre o Windows por onde começa a trabalhar? Geralmente é clicando no botão Iniciar, localizado na no canto esquerdo da barra de tarefas. No Ubuntu o que muda é a posição da barra de tarefas, que chamamos aqui de lançador. 

O Lançador, conforme a “ajuda do Ubuntu”, é um dos componentes chave da área de trabalho Unity. Quando você inicia uma sessão em seu ambiente de trabalho, ele aparece ao longo do lado esquerdo da tela. O Lançador lhe fornece acesso rápido a aplicativos, espaços de trabalho, dispositivos removíveis e à lixeira. Trocando em miúdos, é como se você pegasse a barra de tarefas do Windows e colocasse verticalmente do lado esquerdo. É claro que com a versão 16.04 haverá a possibilidade de mover a barra para baixo, mas aí é questão de gosto.

Nessa barra é possível adicionar atalhos dos programas que você mais utiliza e toda vez que quiser usá-los, basta clicar neles. E me pergunta: onde fica o iniciar? Pois bem, olhe atentamente para o primeiro ícone da barra de tarefas, localizado na parte de cima do lançador, com a forma do logo do Ubuntu. Esse é o Dash ou Botão Ubuntu.
Texto.

Botão Ubuntu

Ao clicar com o botão direto do mouse no logo do Ubuntu abrirá um menu suspenso na seguinte ordem: Início, Aplicativos, Arquivos e Pastas, Vídeos, Músicas, Fotos e Social. Ao levar o mouse para qualquer um destes abrir-se-á uma espécie de SUPER MENU INICIAR! É super mesmo, afinal traz coisas que o iniciar normal não traz. É claro que clicando normalmente com o botão esquerdo do mouse também abrirá.



Se olhar para a parte de baixo verá sete ícones, cada um indicando uma parte do menu. O primeiro, a Home, mostra os últimos aplicativos usados e os últimos arquivos e pastas, além de extensões e complementos que podem ser baixados da internet. Na parte de cima há uma barra de pesquisa, em que você pode digitar lá para procurar arquivos e programas por nomes, tipo e até mesmo localizados na internet. Por exemplo, suponha que você digite lá um trabalho da faculdade que você tem salvo no PC mas não lembra onde está. Vai aparecer e com a opção de abrir no local do arquivo. Na segunda função, Aplicativos, vai além, uma vez que pode pesquisar até por resultados na interne e baixar programas por lá mesmo!!! São mostrados os programas instalados em ordem alfabética. A guia Arquivos e pastas permite que busque filtrando por tamanho de arquivo, tipo (vídeo, documento, música) e última modificação.

É possível remover programas por ali, desde é claro que tenham sido instalados pela central de programas ouvia apt-get.

Programas nativos na ISO

Entre os programas que vem por padrão nativamente na ISO do Ubuntu (versão 14.04 LTS) estão destacados:
  • Ajuda;
  • Amazon;
  • Analisador de uso dos discos Baobab, versão 3.8.2;
  • Aparência, para mudar temas e papel de parede;
  • Aplicativos de Sessão, usado para definir quais programas serão iniciados com o sistema;
  • Gerenciador de arquivos Nautilus, versão 3.10.1 (que funciona como o Windows Explorer, mas com a possibilidade de abrir os conteúdos em abas, como um navegador da internet);
  • Atualizador de programas (esqueça daquela de ter que reiniciar toda hora e todo o dia uma mensagem de “reinicie seu computador), este é muito mais eficiente;
  • Gerenciador de Backups;
  • Bluetooth;
  • Brilho e Bloqueio, que permite alterar configurações para o descanso de tela, por exemplo;
  • Browser, criado pela Canonical para o Ubuntu;
  • Cabine de Webcam do Cheese, versão 3.10.2, para que você tire fotos e vídeos com a sua webcam, com efeitos gráficos divertidos;
  • Calculadora, com modo financeiro e científico, na versão 3.10.2;
  • Captura de Tela, para tirar instantâneos da sua área de trabalho, versão 3.10.1;
  • Central de programas, local como o nome diz, em que você poderá pesquisar pro programas e baixá-los no seu computador, na versão 13.10;
  • Cliente BitTorrent Transmission, um cliente BitTorrent rápido e fácil, versão 2.82;
  • Cliente da área de trabalho remota Remmina, versão 09.99.1, cliente de área de trabalho remota GTK+;
  • Cliente de e-mail Thunderbird, versão 38.5.1;
  • Compartilhamento da área de trabalho;
  • Compartilhamento de arquivos pessoais;
  • Conexões de Rede, que torna fácil a configuração de acesso a internet, inclusive para modens VIVO, Claro, Tim, Oi móveis sem a necessidade de instalação de drives;
  • Configuração de Onboard (teclado);
  • Configurações do Sistema, que funciona como uma espécie de painel de controle do Windows;
  • Contas de usuários, em que permite a criação e exclusão de contas, senhas e tipos;
  • Contas on Line, para sincronizar suas contas de redes sociais com seu computador;
  • Contatos, para o gerenciamento de e-mails;
  • Cor, para mudar tons de seu monitor;
  • Gerenciador de discos de inicialização, que permite que gravar sistemas em forma de ISO diretamente num pendrive, tornando-o inicializável;
  • Detalhes, que permite a consulta de configurações do PC, como quantidade de memória, placa de vídeo e versão do sistema operacional.
  • Digitalizador Silple Scan, uma ferramenta simples para digitalizar documentos, versão 3.12.10;
  • Discos, que permite efetuar mudanças nos discos inseridos no computador;
  • Drives Adicionais, que permite a instalação de drives compatíveis caso o seu sistema não os tenha reconhecido imediatamente durante a inicialização, principalmente para placas Nvidia;
  • Editor de textos Gedit, pequeno e leve para o GNOME como um bloco de notas, versão 3.10.4;
  • Empaty Messenger, Um cliente de bate-papo para o GNOME, versão 3.8.6;
  • Gestor de Energia, para notebooks;
  • Entrada de Texto, para configurar o teclado conforme o idioma;
  • Estatísitcas de Energia, que funciona como analisador de processos;
  • Archive Mananger, um gerenciador de arquivos compactados para o GNOME, versão 3.10.2.1;
  • Gravador de discos Brasero, Um aplicativo de gravação de CD/DVD simples de usar para o GNOME, versão 3.10.0;
  • Impressoras, com drives da moiraria das impressoras do mercado;
  • Teclado virtual;
  • Leitor de Tela Orca, para pessoas com deficiência visual;
  • LibreOffice, que dispensa apresentações, versão 4.2.8.2, ótimo concorrente ao MS Office;
  • Log do sistema, um visualizador de log para o GNOME, versão 3.8.1;
  • Jogo Mahjongg, um jogo de memória jogado com as pedras do Mahjongg, versão 3.10.2;
  • Há muitos outros, basta testar o sistema para comprovar

Algumas telas do Ubuntu:

Discos



Por este programa dá para modificar os discos inseridos na máquina, como HD interno e  externo, DVD e pendrives, criando e excluindo partições e mudando até o sistema de arquivos, por exemplo, de NTFS (padrão Windows) para Ext4.

Múltiplas áreas de trabalho



Dizem que o Windows 10 trouxe uma função de ter várias áreas de trabalho independentes, uma inovação. MENTIRA!!! O ubuntu trouxe isso faz muito tempo. Além disso é possível ver todas as janelas ativas:


São comandos nativos do Ubuntu. Na imagem mostramos não somente que dá para ver todas as janelas abertas como também que o sistema é forte o suficiente para rodar vários sistemas operacionais virtualizados dentro dele, com a VirtualBox.

Programas para escritório



Há aqueles que dizem que o LibreOffice é inferior ao MS Office e por isso não conseguem usar uma distro Linux. Isso é desculpa de aleijado. O LibreOffice consegue sim ser equivalente ao MS, basta o usuário ter disposição para aprender a usar.


E para aqueles que dizem que precisam mesmo do MS Office, por que não usá-los via Wine, roda muito bem.