sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Planejamento e Orçamento - parte 2


       PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

    Exemplo de exercício de variação orçamentária
Inicialmente, vamos apurar a variação orçamentária das vendas do quadro a seguir, que contem os valores de vendas orçados e efetivos e as respectivas unidades.

Dados
Abril/0x
Variações
Vendas Orçadas
135.200,00

Vendas Realizadas
128.300,00
(6.900,00)



Unidades Orçadas
65.100,00

Unidades Vendidas
53.200,00
(11.900,00)
Com base nas informações apresentadas no quadro vamos fazer uma análise sobre a variação de preço e de volume e após isso, indicar se as variações são favoráveis ou não. O primeiro passo é estabelecer os valores dos preços unitários, tanto orçado quanto o preço real. Para os cálculos do preço real utilizaremos a seguinte equação:
Equação ‑1: Preço Real
Assim temos o cálculo do preço real unitário representado no quadro a seguir:
Preço real unitário





Vendas Realizadas
128.300,00
2,41
Unidades Vendidas
53.200,00
Nota-se claramente a lógica da fórmula que utiliza apenas números efetivos da empresa: o meu preço real é obtido quando eu divido a minha receita total de vendas pelo volume vendido. E para o cálculo do preço unitário orçado será utilizada a seguinte fórmula:
Equação ‑2: Preço Orçado
Assim temos o cálculo do preço unitário orçado representado no quadro a seguir:
Preço orçado unitário


Vendas Orçadas
135.200,00
2,08
Unidades Orçadas
65.100,00
E da mesma forma, atribui-se ao cálculo apenas os números estimados pela empresa no planejamento orçamentário. Com esses dois cálculos simples temos os preços unitários utilizados pela empresa nas vendas e já podemos definir que o preço real foi superior ao orçado pela empresa, ponto positivo, por enquanto, mas que não significa que o resultado final será favorável. Para a resposta utilizaremos as duas fórmulas a seguir:
Equação ‑3: Variação de Preço
Analisando a fórmula temos que na sua primeira parte destaca-se a variação do preço, seja favorável ou não, e depois se multiplica o resultado pelo número de unidades vendidas de fato pela empresa. O quadro a seguir apresenta o resultado da equação:
Análise de preço


Preço real unitário
2,41
(-) preço orçado unitário
(2,08)
(=) variação de preço
0,33
(x) volume real vendido
53.200,00
(=) variação de preço
17.813,98
Conceito
Favorável
O resultado encontrado é favorável uma vez que a variação do preço encontrada é positiva. É claro que isso se deve ao preço real ter sido superior ao preço orçado pela empresa. No entanto, veremos a seguir se a variação do volume também foi favorável. Obtemos essa nova variação pela fórmula a seguir:
E para concluir o raciocínio fazemos os cálculos por meio de o quadro a seguir:
Equação ‑4: Variação de Volume
Nota-se que desta vez o resultado de variação foi negativo. Fato que poderia facilmente ser previsto apenas observando os volumes reais vendidos contra os orçados pela organização, superiores.
Análise de volume


Volume real
53.200,00
(-) volume orçado
(65.100,00)
(=) variação de volume
(11.900,00)
(x) preço unitário orçado
2,08
(=) variação de volume
(24.713,98)
Conceito
Desfavorável
E finalmente o quadro final com os resultados para a conclusão do exemplo:
Variação total entre vendas orçadas menos reais

(=) variação de preço
17.813,98
(=) variação de volume
(24.713,98)
(=) variação
(6.900,00)
A variação neste exemplo foi desfavorável.


Exemplo: variação da mão de obra
No exemplo a seguir pede-se apurar a variação orçamentária do custo de mão de obra e fazer uma análise sobre a verificação de preço, volume e eficiência. Ao final, concluir se a variação é favorável ou desfavorável. Segue o quadro de dados:
Dados
Abril/0x
Mão de obra orçada
5.375,00
Mão de obra real
3.600,00
Variação
(1.775,00)



Volume de produção orçado
4.300,00
Volume de produção real
4.500,00
Variação
200,00



Horas consumidas
920,00
Horas/unidades orçadas
0,25
Vejamos
Horas permitidas

Volume de produção real
4.500,00
(x)
Horas/unidades orçadas
0,25
(=)
Horas permitidas
1.125,00
Vejamos as horas orçadas:
Horas orçadas

Volume de produção orçado
4.300,00
(x)
Horas/unidades orçadas
0,25
(=)
Horas orçadas
1.075,00
Vejamos agora o quadro do preço padrão por hora:
Preço padrão por hora

Mão de obra orçada
5.375,00
(÷)
Horas orçadas
1.075,00
(=)
Preço padrão por hora
5,00
No quadro a seguir apresentamos o preço real por hora:
Preço real por hora

Mão de obra real
3.600,00
(÷)
Horas consumidas
920,00
(=)
Preço real por hora
3,91
Vejamos
Variação de eficiência

Horas consumidas
920,00
(-)
Horas permitidas
(1.125,00)
(x)
Preço padrão por hora
5,00
(=)
Variação de eficiência
(1.025,00)


Desfavorável
Vejamos
Variação de volume

Horas permitidas
1.125,00
(-)
Horas orçadas
(1.075,00)
(x)
Preço padrão por hora
5,00
(=)
Variação de volume
250,00


Favorável
Vejamos
Variação de preço

Preço real por hora
3,91
(-)
Preço padrão por hora
(5,00)
(x)
Horas consumidas
920,00
(=)
Variação de preço
(1.000,00)


Favorável
Vejamos
Variação total

Variação de preço
(1.000,00)
Favorável
(+)
Variação de volume
250,00
Favorável
(+)
Variação de eficiência
(1.025,00)
Desfavorável
(=)
Variação total
(1.775,00)
Favorável

E com isso chegamos à conclusão que o resultado foi favorável, uma vez que o item pesquisado (custo de mão de obra) é um custo que apresentou queda, pois o gasto real foi superior ao previsto.