quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Intermediação financeira


Em qualquer economia há pessoas físicas e jurídicas que precisam de recursos e os bancos comerciais fazem este papel de intermediação.
Compõem as instituições financeiras de mercado de capitais (ou simplesmente as também chamadas de financeiras):

  • De mercado de crédito, que cuidam dos empréstimos bancários para o curto prazo e;
  • Do mercado de capitais, que cuidam das operações voltadas para o prazo médio, longo e indeterminado. São exemplos as compras e vendas de ações.
  • O último é o mercado cambial, que cuida das alterações de compra e venda de moedas internacionais.
Os três mercados tratam de uma visão bem macro do mercado financeiro.


Visão preliminar do mercado financeiro

O sistema financeiro ou bancário é o conjunto de instituições envolvidas com os agentes econômicos, em que há pessoas jurídicas e físicas que dispõem de recursos para investirem ou que precisam destes recursos, por meio de empréstimos, que envolvem por sua vez os juros e as taxas de juros.
Para os cálculos são usadas aquelas fórmulas básicas de matemática financeira, que existem para atualizar o valor do capital no tempo, a saber:
Para investidores, a equação do montante ou valor futuro:
E para os tomadores dos recursos a valor presente, isto é, o dinheiro pego à vista e que um dia deverá ser devolvido acrescido de juros:
Vamos a um exemplo prático: supondo uma aplicação de R$ 100,00, a taxa de 5% ao mês e durante um mês, qual seria o valor do montante? Vamos á solução:
O resultado é obtido usando a primeira equação, que resulta em R$ 105,00.


Problemas fundamentais de utilização de recursos para produção

Quando a empresa vai realizar seus negócios, suas funções operacionais, enfim, suas atividades, ela enfrenta três problemas de mercado. A saber:
O quê e em quantas quantidades produzir? Em outras palavras o problema levanta a questão de qual o produto que o mercado consumidor ou industrial, ou ainda o comércio, quer no momento exato. Não adianta produzir muito se o mercado não absorver o que produzimos. Disso a empresa fica com excesso de produção, estoque parado e dinheiro jogado fora. Para tanto que é indispensável que a empresa, seja qual o ramo for, faça uma prévia pesquisa de mercado, para não desperdiçar nem ficar com falta.
Como produzir? Isso demanda levantar quais as técnicas serão utilizadas para fabricar seus produtos. Temos que ter em vista que há inúmeras possibilidades de produção e é claro que um é mais cara e outra mais em conta. Uma pode prejudicar mais o meio ambiente e a outra não. Uma pode gerar mais empregos e a outra não. Uma pode levar mais tempo e ser mais custosa (precisa de mais recursos naturais ou financeiros) e a outra não. Um produto pode ser produzido juntando dois ou mais departamentos e assim eliminar custos fixos indiretos ou pode fazer com que os custos fixos de outros produtos aumente. Um investimento para a compra de uma máquina ou construção de uma nova unidade industrial pode ser alimentado com recurso próprios (sócios e acionistas) ou buscando financiamentos em moeda estrangeira.
Para quem produzir? Deve-se perguntar quem é o cliente que demanda os produtos ou serviços ora ofertados. A empresa deve saber onde e como gasta pois, os recursos, como diz a Economia, são escassos mas as necessidades humanas são ilimitadas. Quanto mais o Governo gasta recursos públicos com estradas, menos se tem para investir em educação. Trata-se de uma escolha de qual o foco do investimento E assim como as empresas o governo deve fazer escolhas. Imaginemos que uma empresa tem a possibilidade de exportar seus produtos para o país X ou para o país Y, sendo que no X há menos impostos, mas no Y há mais mercado consumidor. Qual será a escolha ideal? Quais serão os fornecedores necessários e mais adequados?


Desenvolvimento, crescimento econômico e intermediação financeira

Comecemos a trabalhar o crescimento econômico, conceito tão falado em época de crise econômica, apresentando uma definição bem clara:
Crescimento econômico é a elevação da produção ao crescimento da população, desde que a da população seja menor. Ou seja, podemos definir que aumento de população apenas não significa mais desenvolvimento econômico, uma vez que não se relaciona diretamente à geração de empregos, aumento da renda média e muito menos na qualidade de vida. Por outro lado um aumento da produção maior que o da população indica mais produtos a disposição ofertados por pessoa, isto é, há expectativa de venda. E se há essa expectativa é porque o mercado está aquecido.

Dessa forma, o desenvolvimento econômico aborda mais o crescimento bom da população. Vemos aqui que não adianta muita população e isso fica em destaque quando comparamos a população (densidade demográfica) do Brasil para a de países “mais desenvolvidos ou de primeiro mundo, tanto economicamente quanto culturalmente e socialmente. Pergunto: qual país tem mais povo: Japão ou Brasil? Pergunto novamente: qual país tem mais desenvolvimento tecnológico?