domingo, 16 de outubro de 2016

Taxa de Câmbio e o Balanço de Pagamentos

A taxa de câmbio pode afetar os vários saldos que compõem o Balanço de Pagamentos e, consequentemente, influi nas reservas do país. É evidente que o câmbio não é o único fator que interfere no resultado das contas externas, mas tem uma influência nada desprezível.
Quanto mais desvalorizada estiver a nossa moeda, maiores serão as nossas exportações e menores as nossas importações. Por outro lado, quanto mais estiver valorizado o real, em relação à cesta de moedas1 da nossa pauta de comércio exterior, maiores serão as nossas importações e menores as exportações, ceteris paribus2.
Exemplo:
  • Vamos supor que a nossa taxa de câmbio seja: US$ 1,00 = R$ 2,00
  • e que após algum tempo tenhamos a seguinte taxa cambial: US$ 1,00 = R$ 4,00.
Na primeira situação era necessário o dobro de reais para se adquirir um dólar. Agora são precisos R$ 4,00 para se obter a mesma quantidade de dólar (um). Neste exemplo aconteceu uma desvalorização do real em relação ao dólar.
Considerando que uma mesa tenha preço de venda de R$ 100,00 e a taxa de câmbio seja de US$ 1,00 = R$ 2,00, um importador americano que queira comprar esse móvel despenderá US$ 50,00 (100,00/2,00).
Se a taxa de câmbio mudar para US$ 1,00 = R$ 4,00, e o preço da mesa não se alterar (R$ 100,00), o comerciante americano precisará só de US$ 25,00 (100,00/4,00).
A desvalorização do real em relação ao dólar gerou uma queda de preço do móvel em dólares, isto é, o que antes custava US$ 50,00 (100,00/2,00) agora custa US$ 25,00 (100,00/4,00).
A desvalorização do real implica numa queda de preços dos nossos bens e serviços exportáveis que fará com que a demanda externa aumente, aumentando nossas exportações. Para exportarmos mais deveremos utilizar uma quantidade maior de fatores de produção e aumentar também os Investimentos. A desvalorização do real fará com que as nossas importações se reduzam, pois precisaremos de mais reais para conseguir o mesmo dólar.
A desvalorização do real terá como efeito um aumento no saldo da Balança Comercial, pois haverá um aumento nas exportações e uma queda nas importações.
Vamos, agora, considerar que a taxa de câmbio seja:
US$ 1,00 = R$ 5,00
E que uma cadeira tenha um preço de venda de R$ 100,00. Um importador terá de pagar, por essa cadeira, US$ 20,00 (100,00/5,00).
Se o real se valorizar frente ao dólar, então haverá um encarecimento dos produtos brasileiros no mercado internacional, pois custarão mais em dólar. Este maior preço provocará uma redução em nossas exportações, já que a demanda diminuirá.
Se a taxa de câmbio passar para:
US$ 1,00 = R$ 2,50
Então a cadeira, cujo preço é de R$ 100,00, passará a custar US$ 40,00 (100,00 / 2,500). Com a valorização do real (de US$ 1,00 = R$ 5,00 para US$ 1,00 = R$ 2,50), a nossa cadeira aumentou de preço no mercado internacional de US$ 20,00 para US$ 40,00. Tal aumento fará com que a demanda caia, portanto as nossas exportações diminuirão. Por outro lado as nossas importações sofrerão um aumento, pois precisaremos de uma quantidade menor de reais para comprar o mesmo produto.
Isso posto, temos que uma sobrevalorização do real gerará uma redução nas exportações e um aumento nas importações.

1 Cesta de moedas: Média ponderada de moeda de diferentes países com os quais mantemos relações cambiais mutatis mutantis (expressão em latim cujo significado é ‘mudado o que deve ser mudado’).

2 Ceteris Paribus: Expressão em latim que significa ‘permanecendo constante tudo o mais’, isto é, quando se estudam os efeitos de uma variável sobre as demais, que compõe um sistema, consideram-se as demais variáveis como inalteradas. Caeteris Paribus.