segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A política fiscal, cambial e monetária

E continuaremos a trabalhar em cima das matérias relacionadas ao mercado de capitais, sendo que hoje apresentaremos daremos introdução às política Fiscais, cambiais e monetárias.

       A política fiscal, cambial e monetária

A política fiscal, cambial e monetária tem como finalidade a atuarem harmoniosamente visando:
Alto e adequado nível de emprego: O desemprego acarreta uma pura perda econômica nunca mais recuperada, já que o tempo perdido na ociosidade involuntária não retorna − a sociedade perde os bens e serviços que ela gostaria de ver produzidos e que os desempregados gostariam de estar produzindo − além da frustração, da perda de aspirações, da queda do respeito por si próprio e das qualificações e, finalmente, gera a desmoralização, reduzindo o potencial de crescimento futuro.

Estabilidade de preço: Os preços devem permanecer constantes ao longo do tempo. A inflação, ao ultrapassar um nível baixo, torna-se uma ameaça, prejudicando de maneira mais intensa os mais pobres que não possuem meios de proteger seus haveres monetários, desarticulando a produção por meio de erros econômicos, pois para tomar decisões corretas as empresas precisam de um diagnóstico e um prognóstico certos. Com a inflação os preços se modificam rapidamente tornando tudo nebuloso e desarranjando os preços relativos.
Eficiência: A economia pode ter um mau desempenho num regime de estabilidade de preços sem desemprego simplesmente operando com baixo índice de eficiência. Podemos dividir a ineficiência em dois grandes conjuntos: ineficiência técnica quando a mesma produção pode ser obtida com uma quantidade menor de fatores de produção; ineficiência alocativa quando não se tem o melhor conjunto de bens produzidos, isto é, se produzimos só e somente só pão não estaremos sendo eficientes alocativamente, pois os consumidores querem além do pão, a manteiga. Podemos dizer que a eficiência é a reunião de processos e ações para se obter os maiores resultados possíveis do conjunto de fatores de produção utilizados. A eficiência alocativa é a produção da melhor combinação possível de bens e serviços com a combinação adequada de insumos. A eficiência técnica é a maior produção com a menor quantidade possível de insumos.
Distribuição equitativa de renda: A ética nos conduz a questionarmos as diferenças brutais de atendimentos de necessidades entre nossos semelhantes. O gato de uma família da classe média alta vive melhor e tem uma despesa muito maior do que grande parte de famílias inteiras. É correto alguns terem tanto enquanto outros têm tão pouco? A sociedade, por meio do Estado, tem consciência que deve canalizar esforços para fornecer e melhorar as oportunidades de crescimento das pessoas menos favorecidas pela vida. Uma sociedade com grande desigualdade de renda propicia a instabilidade política e o populismo econômico. A instabilidade política gera um custo econômico muito alto, pois as empresas não se veem confortáveis em investir maciçamente num quadro de instabilidade. O populismo econômico busca o apoio popular por meio de políticas distributivas demagógicas que conduzem o Estado a défices além da capacidade da nação e a políticas de importação sem vínculo com as reais necessidades do país.
Crescimento: Se a economia cresce, a renda de todos será maior no futuro. Os pobres serão beneficiados sem a diminuição da renda dos demais. Se desejarmos crescer rapidamente, uma parcela da produção corrente será utilizada para a confecção de máquinas e equipamentos com uma diminuição de bens de consumo. No futuro, quando as novas máquinas funcionarem, produzirão mais bens de consumo. Logo, temos o seguinte balanço: as vantagens de um consumo maior no futuro com as desvantagens de um consumo menor no presente, trade-off1.
Liberdade econômica: É o direito das pessoas escolherem suas profissões, poderem procurar trabalho de seu interesse, fazerem seus negócios, perceberem oportunidades de investirem, abrirem suas empresas e gastarem suas rendas como o desejarem.
Segurança econômica: Que a sociedade esteja livre do espectro de aventuras econômicas empreendidas por aventureiros do poder! A segurança econômica implica em que as regras não serão mudadas e, se o forem, devem conter no seu bojo o respeito pelos direitos adquiridos e a adequação ao fim a que se destina, isto é, colaborar para o bem comum.




1 Trade-off: Este termo, em inglês, caracteriza uma escolha conflitiva, ou seja, quando a solução de um problema traz, em seu bojo, outro problema.