sábado, 8 de outubro de 2016

Leasing, CSI e bolsas de valores

E continuaremos a trabalhar em cima das matérias relacionadas ao mercado de capitais, sendo que hoje apresentaremos alguns conceitos quem sobre as sociedades que trabalham com leasing, corretoras e bolsas de valores.

      Sociedade de Arrendamento Mercantil (Leasing)

Essas sociedades conferem o uso de um determinado bem, durante um determinado tempo, em troca de um pagamento, com a forma de uma locação, isto é, a empresa de leasing (arrendadora) compra um determinado ativo fixo de um fornecedor e o entrega para uso de seu cliente (arrendatário).
Ao término do prazo contratual, o arrendatário poderá comprar ou não o bem por um valor já pré-determinado chamado de "valor residual".
O leaseback ocorre quando há uma operação de compra de um bem com um contrato simultâneo de leasing, isto é, a empresa muda sua condição de proprietária para arrendatária do bem. O lease­back pode ser utilizado em substituição a uma operação de capital de giro.
As empresas de leasing surgiram em 1974 por meio da lei 6.099.
As empresas de leasing obtêm seus recursos, geralmente de longo prazo, por meio de debêntures, empréstimos no país e no exterior.
O sucesso das leasings deve-se ao fato que o lucro de um dado empreendimento vem da utilização de equipamentos e não necessariamente da sua posse.



      Sociedade de Crédito Imobiliário (SCI)

Tem como desígnio o financiamento do setor imobiliário, obtendo recursos por meio da Caderneta de Poupança.



      Bolsa de Valores e BM&F

Conforme o site da própria bolsa:
“!BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros foi criada em 2008 com a integração entre Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA).
Juntas, as companhias formam a terceira maior bolsa do mundo em valor de mercado, a segunda das Américas e a líder no continente latino-americano.
No cenário global, em que acompanhar a velocidade das transformações torna-se um diferencial competitivo, a BM&FBOVESPA apresenta atraentes opções de investimento com custos de operação alinhados ao mercado.
A nova bolsa oferece para negociação ações, títulos e contratos referenciados em ativos financeiros, índices, taxas, mercadorias e moedas nas modalidades a vista e de liquidação futura.
Missão
Líder no mercado de valores e derivativos da América Latina, a missão da BM&FBOVESPA é atuar na dinâmica macroeconômica de crescimento do mercado latino-americano e posicionar não apenas a Bolsa, mas também o Brasil como centro financeiro internacional de negociação de ações, commodities e outros instrumentos financeiros, com excelência operacional e atitudes socialmente responsáveis.

Os mercados da BM&FBOVESPA abrangem a negociação de títulos e valores mobiliários, de renda variável e renda fixa, nos mercados de bolsa e de balcão organizado.
Títulos e Valores Mobiliários
  • Ações
  • Certificados de depósito sobre ações (BDR)
  • Cotas de fundos de investimentos
  • Debêntures
  • Recibos de ações
Derivativos agropecuários
  • Açúcar cristal
  • Algodão
  • Bezerro
  • Boi gordo
  • Café arábica
  • Café robusta conillon
  • Etanol
  • Milho
  • Soja
Derivativos financeiros
  • Ouro
  • Índices de ações (Ibovespa, IBrX-50)
  • Índices de inflação (IGP-M, INPC, IPCA)
  • Taxas de câmbio
  • Taxas de juro
  • Títulos da dívida soberana
Minicontratos
  • Boi gordo
  • Café
  • Dólar
  • Ibovespa
Mercados de balcão
  • Termo
  • Swaps
  • Opções flexíveis
Dólar pronto
  • Com liquidação em D+0, D+1 e D+2
Títulos públicos federais
  • Pós-fixados, prefixados e indexados a taxas de inflação e de câmbio “.
A finalidade da Bolsa é fornecer infra-estrutura ao mercado de valores mobiliários. Elas mantêm uma estrutura tecnológica para negociações de títulos e valores mobiliários de pessoas jurídicas públicas e privadas, para que as transações efetuadas sejam processadas de forma rápida, exata, segura e transparente.
A Bolsa de Valores deve proporcionar condições para a liquidez dos títulos negociados, por meio de pregões contínuos, divulgando todas as operações realizadas, dentro do menor prazo e com a maior abrangência possível.
A Bolsa de Valores é uma instituição especialmente criado para transações de valores mobiliários de forma livre e aberta sob a supervisão da CVM. Ela deve permitir a transformação da poupança em investimento por meio de compra ou venda de ativos mobiliários em instantes adequados de baixa ou de alta de preços (cotações).
As operações podem ser executadas no mercado à vista ou a termo (a prazo). Nas negociações à vista, a liquidação financeira é feita em 03, isto é, no terceiro dia útil após o fechamento do negócio. Já nas negociações a termo, os papéis só são entregues ao final de um prazo pré-estabelecido.
Os negócios na Bolsa não podem ser feitos diretamente entre os interessados em comprar ou em vender. As transações devem ser feitas pelas corretoras que são os intermediários entre os compradores e os vendedores.
Os preços das ações são formados por vários fatores, tais como a situação econômico-financeira da empresa a que o papel se refere, suas condições de produção, administração, comercialização de seus produtos e serviços, a situação das empresas concorrentes, a conjuntura econômica do país, clima de otimismo ou pessimismo, etc.
A Câmara de Liquidação (clearing) tem como função registrar, liquidar, compensar, receber garantias e depósitos exigidos em cada modalidade de operação que são negociadas na Bolsa.



      A Bovespa e a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F)

Em 31/01/1986, aconteceu o primeiro pregão na Bolsa Mercantil e de Futuros.
Nesse pregão, negociou-se contratos futuros de ouro.
Posteriormente, operou-se o "Futuro do IBOVESPA" (que representa as expectativas do valor futuro dos índices de ações da BOVESPA).
Em 1991, ocorre sua fusão com a Bolsa de Mercadorias de São Paulo, surgindo, então, seu nome atual, Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F).
Em 1997, incorpora a Bolsa Brasileira de Futuros.
Em 2008, a BM&F integra-se com a Bovespa criando a BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores,
Entre os objetivos, destaca-se o planejamento, a organização, o desenvolvimento e o acompanhamento do mercado das mais variadas commodities1, tais como produtos agropecuários, metais, índices de ações, taxas de juros, taxas de câmbio, etc.
Todas as Bolsas têm como principais objetivos:
  • 1. facilidade de negociação;
  • 2. centro de liquidez;
  • 3. transparência de preços;
  • 4. formalismo: qualidade do ativo; quantidade padrão negociada; preço / local / data; ética liturgia; sanções.
Para se conhecer melhor a história da Nova Bolsa basta entrar no site: http://www.bmfbovespa.com.br/portugues/historia.asp




1 Commodities: plural de commodity, palavra de origem inglesa, cujo significado é mercadoria, geralmente um produto primário em estado bruto, de grande importância econômica - por exemplo, café, algodão, cobre etc. Seus preços são cotados em Bolsas de Mercadoria, como as de Londres, Chicago e a nossa BM&F. Os negócios com commodities, na maior parte das vezes, são operações em data e pagamento futuro, isto é, acerta-se hoje o preço, a quantidade e a data futura de liquidação (que pode ser física ou financeira).