quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Conceitos de mercados em Economia

É no mercado que se dá o encontro da procura e da oferta, tanto dos bens e serviços quanto dos fatores de produção.

O mercado é o palco onde os atores, que são os agentes econômicos, realizam suas atuações, por meio de compra e venda de bens e serviços, sob o cenário econômico e social com a direção do lucro e da satisfação das necessidades.
A procura caracteriza a quantidade de bens e serviços que os compradores estão dispostos ou em condições de adquirir. Isto é, a demanda é o somatório de dos bens e serviços de consumo e de investimento procurados no mercado pelos diversos agentes econômicos. A demanda é função de muitas variáveis que influenciam o comprador; entre elas temos o preço do bem demandado, sua relação com os preços de outros bens, a renda, os gostos e predileções, as taxas de juros etc.
Por outro lado, a oferta expressa a quantidade de bens e serviços que a cadeia produtiva está disposta a colocar a venda, ou seja, a oferta é o somatório dos bens e serviços de consumo e de investimento colocados no mercado pelos diferentes setores da economia. Ela é função dos preços dos bens e dos fatores de produção, da renda, da tecnologia, dos planos dos produtores etc.
O preço orienta a produção. Se a quantidade produzida é pequena em relação à procura, o preço se eleva; com isso o lucro, gerado pelo maior preço, fará com que a oferta seja incrementada, alguns consumidores se retrairão ao preço mais alto e sairão do mercado e com isso a oferta e a demanda se ajustam.
Quando a produção é maior do que a procura, os preços caem e os produtores se vêem com lucros menores e retraem a oferta. A diferença entre a oferta e a procura diminui e o equilíbrio é alcançado. O mecanismo, descrito acima, não é perfeito e pressupõem a inteira mobilidade dos fatores de produção e a capacidade instantânea das empresas de adaptarem seus processos operacionais.



Diferentes situações de mercado
O mercado, latu sensu, é o conjunto de compradores e vendedores que negociam de forma organizada ativos. Isto é, compradores trocam recursos por bens, serviços, inclusive financeiros, oferecidos pelos vendedores. Para se caracterizar um mercado, essas transações de compra e venda efetuada por meio de seus participantes afetam o preço das demais.
O mercado não precisa ser, necessariamente, físico: pode ser virtual.
A poupança e o investimento são fatores determinantes do crescimento de um país.
A poupança é a produção não consumida. Sua alocação para produzir bens de capital é um investimento.
Investimento (I) é o processo de produzir e acumular Capital (K). O capital significa instalações, equipamentos, máquinas e outros elementos físicos utilizados no processo de produção.
O processo de elaborar e acumular capital é chamado de investimento.
O termo capital pode ser entendido de duas maneiras: como capital real (prédios, máquinas etc.) e como capital financeiro (ações, CDB, debêntures etc).
Os responsáveis pela poupança (S) são os agentes econômicos superavitários, isto é, a necessidade ou desejo de investir é inferior à capacidade de poupança: [ Y > C (+) I => S = Y (-) C (-) I ].
Já os agentes econômicos deficitários têm necessidade ou desejo de investimento superiores à própria capacidade de gerar poupança: [ Y < C (+) I => Y < C => S < 0 ou Y > C => S < I ].
A função básica do mercado financeiro é promover o encontro dos recursos demandados pelos agentes econômicos deficitários e ofertados pelos superavitários. A operacionalidade desse encontro é desenvolvida pelas instituições financeiras, que intermedeiam os desejos e as necessidades dos doadores e tomadores de recursos por meio de negociação de ativos financeiros (títulos que representam dívida ou participação patrimonial).
Quando a instituição financeira opera recursos que impliquem diretamente em capital real, geralmente envolvendo ações ou ativos financeiros de longo prazo, esse mercado é chamado de Mercado de Capitais. Quando as instituições operam com capital financeiro, geralmente de curto prazo, esse mercado é denominado Mercado Monetário, que opera moeda.
No sistema financeiro, a transferência de recursos, entre os agentes econômicos, se desenvolve latu sensu. Negociam-se também títulos previamente emitidos. O sistema financeiro fornece liquidez para ativos com prazo de emissão ocorrido no passado.
Por exemplo, digamos que você tenha um lote de 1.000 ações da FLOD S.A. comprado há quatro anos e queira vendê-lo agora, pois julga que o preço está bom. Para se desfazer dessas ações, basta dar ordem para o seu corretor vendê-las. O seu corretor irá vendê-las na Bolsa de Valores. Ao assim proceder, ele operou no Mercado Secundário, já que essa operação de venda é, no mínimo, a segunda.
A colocação de um ativo financeiro, quando realizada pela primeira vez, é denominada primária – é o Mercado Primário. Nele, é negociado direta e pela primeira vez um título pelo seu emissor (ou seu representante ou agente) e pelo seu primeiro adquirente.
É no Mercado Secundário que ocorrem as negociações (ou renegociações) para terceiros dos ativos financeiros adquiridos no mercado primário.
É no mercado de câmbio (forex) que se efetuam transferências por meio das fronteiras dos países. Esses pagamentos são feitos por meio de paridade entre moedas. Os participantes do mercado cambial podem ser divididos em cinco categorias:
1º) Usuários do câmbio: são os agentes econômicos (empresas, pessoas físicas e governo) que precisam de moeda estrangeira para que possam comprar bens e serviços no exterior ou ainda para movimentar capital como parte de suas atividades normais.
2º) Market Markers1: são instituições financeiras que mantêm moedas e operam de forma contínua e lucram por meio de spread2.
3º) Especulador: são pessoas físicas ou jurídicas que buscam o lucro tentando conhecer o comportamento futuro do mercado.
4º) Arbitradores: são aqueles que buscam o lucro por meio de discrepância entre mercados, comprando em um e vendem em outro.
5º) Governo: atua, geralmente, por meio de seu Banco Central com o intuito de influenciar a taxa de câmbio e/ou administrar seus fluxos de divisas e a volatilidade3.

1 Operadores intermediários.
2 Spread: diferencial entre as taxas de compra e de venda.

3 Aumento ou queda brusca de preço.