sábado, 19 de novembro de 2016

Quem é o empreendedor?

De 2008 para cá o País tem ficado mergulhado em meio à crise econômica mundial e em virtude disso milhares de pessoas perderam seus empregos. E imaginemos uma família formada por um casal desempregado e dois, três, quatro filhos em idade escolar: Como sustentar os filhos sem dinheiro? Disso muitas pessoas ou entram para a criminalidade ou tentam se virar, produzindo qualquer coisa que saibam e tentando vender, de forma legalizada ou totalmente clandestina. O importante para estas pessoa sé garantir o pão de cada dia.


O resultado é um movimento cada vez maior de pessoas abrindo o seu próprio empreendimento, seja vendendo alimentos caseiros, prestando serviços, vendendo vestuários, enfim, tentam arrumar dinheiro de alguma forma. E nisso vemos uma máxima de que fala que o povo brasileiro é criativo e de que só existe crise para quem não quer dar a volta por cima. Podemos notar: quanto mais gente é mandada embora, mais as filas de gente procurando uma recolocação no mercado de trabalho aumenta, e como se resolve? O atacado e varejo não vendem e sem dinheiro, precisam demitir seus funcionários, que sem emprego não compram mesmo. E piorando, as indústrias não vendem para o varejo (que param de comprar) e acabam gerando mais demissões.
Ao final, nós todos vemos nos noticiários que no contraponto da crise econômica aumenta uma “onda” de gente se arriscando tentando o próprio empreendimento. É claro que muitos, senão a maioria são sem regularização, além dos que fecham as portas em menos de cinco anos, mas há aqueles que souberam encontrar nichos de mercado que tem procura. O resultado é que há aqueles que veem a luz no fim do túnel.
Mas afinal o que vem a ser o empreendedor? Primeiramente não é só o sujeito ter raiva do chefe e querer acordar mais tarde, sendo dono do próprio nariz, muito pelo contrário, afinal empreender algo não é delegar para terceiros fazerem tudo e você ficar só na praia curtindo a vida (estou me referindo aos personagens caricatos de empresários nas novelas da Rede Globo).
O Empreendedor é aquela pessoa que sempre foi motivada pela autorrealização, desejo de assumir responsabilidades e independência, ou seja, aquela que quer ter as rédias da sua própria vida. Embora é claro que ele também busque ter satisfação financeira (ou acredita que alguém vai abrir uma empresa apenas para passar o tempo ou porque o dinheiro está mofando em casa), considera irresistível assumir novos desafios, estando sempre propondo novas ideias, que são seguidas pela ação. Pessoas empreendedoras buscam situações de pressão, em que precisam tomar decisões vitais para o seu negócio ou mesmo precisam daquela ideia genial que irá trazer novos clientes.
Está sempre se autoavaliando, se autocriticando e controlando seu comportamento em busca do autodesenvolvimento e da melhora continua para seu empreendimento. Disso temos um pequeno entendimento de porque há pessoas que abrem uma empresa e ela quebra e outras vão para frente. O primeiro grupo é de pessoas que não procuram se atualizar, não buscam ver o que o cliente quer e não se movem para melhorar, seja na parte financeira ou operacional. O segundo grupo busca desenvolvimento e evolução de processos, sendo feliz quando vê suas ideias saindo do papel e dando resultado. Esse último sabe que para se tornar um empreendedor de sucesso, é preciso reunir imaginação, determinação, habilidade de organizar, liderar pessoas e de conhecer tecnicamente etapas e processos.
Ou seja, não basta querer ser dono de uma empresa e sim é preciso saber geri-la corretamente para que ela funcione. Indo para um exemplo mais cultural, de que adianta o agricultor ou fazendeiro comprar o terreno e jogar as sementes e parar por isso aí? As sementes vão crescer, mas não todas e muito menos da forma que ele gostaria que acontecesse. Sem arar a terra, sem adubar, molhar ou eliminar pragas, terá apenas perdido tempo e dinheiro.
A viabilidade de um pequeno negócio está estruturada, basicamente, na figura do empreendedor, pois ele é o ponto central que determinará ou não o sucesso do empreendimento. Muitas vezes, cabe a ele todas as funções da organização como comprar, produzir e vender.

Por tudo isso, ele sabia que iniciar uma empresa é muito diferente de iniciar um novo trabalho. O empreendedor será aquele que tomará as decisões, e suas características influirão muito no andamento dos negócios. Será muito importante ter determinação e perseverança não só para iniciar o empreendimento como também para mantê-lo ao longo do tempo. Ao começar um novo emprego o funcionário só precisa saber fazer bem o seu trabalho, não tendo que se preocupar com fornecedores, prazos de pagamentos ou recebimentos, alugueis, contas a vencer, impostos. Não precisa se preocupar em como vai conseguir dinheiro para pagar empregados, pois o dele cai na conta todo mês normalmente sem “esforço”.