quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Aspectos Operacionais, Financeiros e Econômicos das Atividades

Em cada atividade desenvolvida pela empresa observam-se três aspectos interdependentes. O primeiro diz respeito à qualidade, quantidade e cumprimento de prazo, que denominamos operacional. Essas atividades para serem realizadas consomem recursos e geram sempre algum tipo de benefício na forma de produtos e serviços.

Aos recursos consumidos e aos produtos e serviços gerados, podem ser associados valores econômicos (custos dos recursos e receitas dos produtos e serviços), o que caracteriza o aspecto econômico da atividade. Finalmente as operações envolvem prazos de pagamentos e recebimentos dos valores envolvidos, o que caracteriza o aspecto financeiro da atividade. Evidentemente os valores a prazo acarretam juros, os quais por sua vez impactam o resultado econômico da atividade. O GECON contempla esses aspectos mensurando o resultado financeiro e o resultado operacional das diversas atividades empresariais inclusive o resultado da própria área financeira.
A partir das premissas estabelecidas para caracterizar o modelo GECON, é possível caracterizar um conjunto de definições que devem incorporar o modelo de gestão das empresas que buscam a eficácia. Desse conjunto de definições decorrem naturalmente os conceitos que devem ser aplicados no Sistema de Informação de Gestão Econômica deve ser estruturado sob o conceito de banco de dados, citamos os Planos de Contas; Plano de Área de Responsabilidade/Centro de Resultados; Contabilidade Gerencial e Contabilidade Societária.
Um modelo de decisão centrado na eficácia demanda informações de resultados das atividades, portanto, de volumes e de custos variáveis dos recursos, dos volumes e das receitas dos produtos e serviços, dos custos fixos das áreas de responsabilidade e dos centros de resultados.
Pressupõe não só a mensuração de resultados realizados mas também de resultados planejados, estabelecendo uma estreita ligação entre o sistema de informação contábil e o processo decisório.
A empresa pode avaliar as iniciativas da qualidade por áreas de responsabilidade, por tipo de cliente, e cada área é convocada a apresentar quadro de melhoria. O fluxo de equilíbrio na relação entre clientes e a empresa identifica o resultado econômico. Se alguma área mostrar deficiente, as demais áreas compensam com resultados econômicos individuais adversos da outra. A iniciativa da qualidade tem maior chance de sucesso á medida que otimizem o resultado econômico da empresa.