segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Introdução à Tesouraria e à Economia

A Tesouraria de um Banco, inicialmente, era voltada para a administração da liquidez entre os ativos (bens e direitos – aplicações) e os passivos (obrigações – fontes).

Com o advento dos produtos derivativos1, a globalização e a sofisticação das necessidades de captação e alocação de capital, a administração monetária se sofisticou muito. A Tesouraria, hoje, visa ao planejamento, à organização, à direção e ao controle de forma otimizada dos fluxos financeiros tanto potenciais como cinéticos, com um sistema de risco adequado, já que o objetivo de qualquer negócio é a perpetuação dos investimentos2 e a criação de valor para os acionistas, dentro de um escopo juridicamente perfeito, tanto ética como politicamente correto e tecnicamente viável, atendendo às necessidades – inclusive potenciais – do mercado.
É na Tesouraria que se processam as transações monetárias das instituições. A Tesouraria bancária engloba as atividades inerentes à administração dos recursos das instituições financeiras, com foco na gestão de rentabilidade, de liquidez e de risco. Sumariamente, os bancos compram e vendem recursos e intermedeiam operações visando a obter a maior rentabilidade possível com um nível controlado e adequado de risco.
O preço dos recursos, sua qualidade e estrutura determinam os padrões de desempenho que podem criar ou destruir as riquezas das instituições financeiras.



    A tesouraria e a Economia

As Tesourarias, para fixar suas estratégias, necessitam conhecer o meio econômico em que atuam e quais os prováveis cenários futuros. Para tanto, elas utilizam-se da Ciência Econômica.
A Economia fornece uma série enorme de estudos e projeções, que vão desde um determinado projeto até análises da conjuntura internacional. Desse modo, os gestores da Tesouraria podem ter uma visão muito mais nítida de seu ambiente de atuação e decidir, com maior clareza, eficiência e eficácia a utilização de seus recursos escassos.
As empresas buscam a sua perpetuação e o lucro; as pessoas querem a melhor alocação de seus recursos, procurando otimizar a sua utilidade; já os governos buscam maximizar o bem-estar público. A Economia induz que esses três grandes atores do cenário econômico (os consumidores, as empresas e o governo) agem racionalmente. Logo, suas ações, de maneira geral, podem ser previstas com certo grau de confiabilidade.
A Ciência Econômica estuda cada uma dessas áreas e suas interações por meio de duas grandes disciplinas: a Macroeconomia, em que são analisados os agregados econômicos como um todo, e a Microeconomia, que se atém às questões específicas dos agentes econômicos.
Com isso, o cabedal econômico é um fortíssimo elemento necessário às atividades bancárias, pois atua no planejamento estratégico, estuda os diversos mercados e suas perspectivas, a oferta e a procura, o ambiente dos negócios, os orçamentos, o desenvolvimento socioeconômico, as inter-relações entre países, as interdependências entre a economia real e o mercado financeiro (tanto interna como externamente). Analisa, também, a competitividade entre e intrassegmentares, avalia os investimentos, as fusões, as aquisições e as incorporações de empresas, a liquidez3, a taxa de câmbio4, os juros5, os balanços de pagamentos6, a política fiscal7 e a monetária8. A Tesouraria administra os recursos das instituições financeiras. É a Economia que interpreta a realidade e suas prováveis mudanças, fornecendo a base para a Tesouraria administrar os recursos escassos.



1 Derivativos são operações financeiras derivadas de um outro ativo. Esses outros ativos são chamados de ativos objeto ou de referência; por exemplo: ações, taxa de juros, commodities (mercadorias como alimentos, cereais, metais etc) etc.
2Investimento: pode ser considerado como os recursos alocados em máquinas, equipamentos, imóveis ou em títulos financeiros.
3 Liquidez: capacidade de um ativo em se transformar em moeda.
4 Relação de preço entre duas moedas.
5Juros: Juro é o preço pago pelo uso da moeda ou de fundos para empréstimos. Pode ser expresso em porcentagem, isto é, se a taxa de juros é de 10,00% aa, isso significa que para R$ 100,00 emprestados hoje (Do), dentro de um ano (D360), terá de ser paga a quantia de R$ 110,00. Os juros ocorrem quando se abre mão de algo no presente em troca de um beneficio no futuro (ou vice-versa).
6Expressa as transações de um país com o exterior.
7É a política de receitas e despesas do Governo.

8É a política de adequação dos meios de pagamentos (moeda em circulação e depósitos à vista) às necessidades do país