sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O que a sua empresa ganha com o software livre?

Num país em que os serviços públicos são de péssima qualidade se comparados aos pagos de mais caros, acabamos acreditando que tudo o que é de graça não é bom ou pelo menos, é inferior ao pago. Das estatísticas de avaliação do Ensino nas escolas em todos os níveis, à segurança até o atendimentos nas unidades de pronto atendimento (UPA) em comparação aos serviços similares oferecidos pelas empresas privadas nota-se o contraste da qualidade. Por esta razão, quando ouvimos falar em programas de computador gratuitos, os vemos muitas vezes com maus olhos, o que é um grande erro na maioria das vezes. E um erro que pode estar consumindo recursos financeiros de sua empresa desnecessariamente. Vamos analisar por que o software gratuito pode ser uma ótima (senão melhor) opção para a sua empresa.

Quando trabalhamos numa empresa temos que nos adequar ao que a empresa usa em softwares, sejam eles pagos ou gratuitos. Quem trabalha num escritório de contabilidade, por exemplo, pode usar ter que usar (e consequentemente ter experiência) num Folhamatic, Contimatic, Domínio, Calima, entre tantos outros. Alguns tem seus bancos de dados em nuvem, o que garante que os dados não serão perdidos em caso de furto das máquinas ou terremotos. São programas específicos e o uso deles traz benefícios presentes e futuros ao escritório: presentes pois permite serviços completos aos clientes e futuros pois uma vez que são constantemente atualizados, garantem à empresa estar sempre à frente nas mudanças nas legislações e procedimentos, diminuindo assim riscos de erros que poderiam causar a saída de seus clientes.
Mas se por um lado as empresas ganham quando adquirem licenças de softwares específicos para a sua atividade, perdem dinheiro quando escolhem opções de programas incorretos. Dizemos isso porque nem tudo o que é programa pode ser a melhor solução para um empreendimento, independentemente de ser pago ou gratuito. Por exemplo, como mencionamos para um escritório de Contabilidade, é uma escolha correta escolher um programa X pago para contabilidade, departamento fiscal e folha de pagamento a um gratuito que seja mais limitado, pois embora a empresa acabasse por economizar em licença de uso, perderia em produtividade. No entanto, um software de edição de texto ou uma planilha eletrônica não funciona da mesma maneira.
Para um escritório de contabilidade, tanto faz se a planilha que seus funcionários usam é paga ou não, bem como os editores de textos. No fundo o que importa é que o programa possa salvar os arquivos no formato que os clientes poderão abrir – o que em quase 100% dos casos é formato proprietário da Microsoft. Assim, o cliente do escritório, do prestador de serviço ou de qualquer outra empresa, não está nem aí para qual “office” o emitente usa, o importante é que abra. E da mesma forma, quando fiz minha graduação e pós graduação o manual de trabalhos acadêmicos da universidade exigia fontes Times New Roman ou Arial para os textos e os professores orientadores embora não tenham especificado, exigiram que se fosse usada alguma versão do Microsoft Office Word. Mas o que sabemos: nem a ABNT define que fonte deve ser usada, por que diabos a universidade exigiria que os alunos tivessem que usar as fontes da Microsoft e mais, os programas PAGOS de sua suíte office? É claro que isso não é impedimento, pois basta usar uma suíte de escritório que salve os arquivos no formato proprietário e problema resolvido.
Então voltamos ao que interessa, pois estamos a fazer um rodeio e nada... qual a vantagem de um escritório de contabilidade em usar a suíte office da Microsoft? Nehuma. É claro que para uma escolha de cursos de informática é importante ter a bendita suíte, pois precisam ensinar os alunos a usá-la, mas para um escritório, é simplesmente jogar dinheiro fora. Que o funcionário crie e salve os arquivos numa suíte aberta – como o LibreOffice – em formato fechado para enviar ao cliente e use o formato aberto (que tem intemporabilidade) para uso interno. Isso além de ser uma escolha inteligente sobre o ponto de vista financeiro (pois é gratuito) e da garantia de que terá sempre acesso aos seus arquivos, uma vez que mesmo num futuro distante bastará atualizar o código fonte do arquivo, se necessário, para abri-lo, tanto num LibreOffice, quanto em qualquer outa suíte com suporte para documentos livres.
Agora, é claro que não iremos comparar programas de contabilidade, de engenharia, de logística, de medicina e biotecnologia pagos com gratuitos, uma vez que se por um lado os pagos são feitos para atender a todas as necessidades dos usuários, feitos algumas vezes sob medida, os gratuitos e livres são feitos por pessoas simplesmente interessadas na filosofia do código livre, que querem que as pessoas não fiquem presas às licenças, mas que não tem todo o suporte visto que não ganham para isso e logo não dispõem dos mesmos recursos.
Separamos aqui uma pequena, porém, útil lista de softwares de escritório gratuitas e bem úteis para a sua empresa ou mesmo, uso doméstico. Não nos alongaremos muito aqui, então mostraremos apenas um de cada categoria, até porque geralmente os pagos são únicos também:
Programa Cliente de e-mail: Thunderbird
Programa para edição de imagens: Gimp:
Suíte de escritório: LibreOffice:
Leitor de PDF: Evince
Editor de revistas e projetos gráficos:
É isso. A lista é simples mas por hora já está serve para pinto de partida para garimpar programas novos.