quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O que é o Relatório da administração


Você já leu um Relatório da Administração? Sabe para que serve? Pois bem, nesta parte da nossa série de postagens acerca da Análise de Balanços apresentaremos nesta alguns aspectos esse tipo de relatório constante no rol de demonstrações e prestações de contas das grandes empresas.

        Relatório da administração

De acordo com a Lei 6404/76 – Art. 22, a CVM – Comissão de Valores Mobiliários deve estabelecer regulamento para a emissão do relatório da administração (1).
Estão vigentes, para elaboração do relatório de administração, os seguintes pareceres da CVM:
• Parecer de Orientação 15/87;
• Parecer de Orientação 17/89;
• Parecer de Orientação 18/90.
O relatório da administração deve evidenciar os negócios sociais e principais fatos administrativos ocorridos no exercício, os investimentos em outras empresas, a política de distribuição de dividendos e de reinvestimento de lucros e outras informações relevantes (1).
Representa um necessário e importante complemento às demonstrações contábeis, ao permitir o
fornecimento de dados e informações adicionais que sejam úteis aos usuários em seu julgamento e
processo de tomada de decisões.
O administrador, na função de representante da empresa ou sociedade relata quais foram às dificuldades encontradas, os dados históricos, os investimentos e, assim demonstra o quadro completo de sua participação (administrativa e de gestão) nos resultados obtidos durante o exercício.


      Parecer dos auditores independentes

A auditoria independente busca analisar e fiscalizar cada um dos demonstrativos, com técnicas de auditoria, buscando com isso os indícios para provar se os dados estão corretos ou não. Trabalham com evidências, indícios e amostragens (que não é feita aleatoriamente), delimitando o volume e a abrangência do objeto de estudo.
Quem encomenda os serviços de auditoria são os acionistas ou investidores que concentram as ações da empresa ou uma assembleia de acionistas. A lei obriga, no entanto, que as empresas atendam os acionistas minoritários.
O auditor faz um planejamento detalhado do que vai buscar em seu trabalho. Depois, faz as conferencias dos cálculos dos saldos e dos valores que forem relevantes na auditoria. Dessa forma, deixa de lado valores imateriais para a empresa, como $ 100,00 de matérias de consumo diários e se concentra sobre o valor de $ 1.000.000,00 de contas a pagar, investi mentes, custos e receitas.
Quando o auditor vai fazer verificações para comprovar a exatidão de valores das contas correntes dos clientes de uma instituição financeira não vai fazer vistoria nos saques efetuados pelos clientes, até porque eles próprios fazem essa tarefa. O auditor vai então até a tesouraria para lá ver se os valores estão corretamente registrados.
Para uma indústria de autopeças, toda compra deve ser auditada. O auditor verifica se a empresa auditada procurou o melhor preço, se a compra foi efetuada por um cliente/fornecedor com contas em dia, a cotação do produto comprado, ocorrência de funcionário que compra por um preço inferior e depois superfatura a nota fiscal para ficar com parte do valor, se há segregação de funções entre outras operações.
O auditor olha toda a compra efetuada, coleta dez amostras aleatoriamente e de vários compradores e fornecedores, analisa a cotação que foi levantada durante a compra e caso venha a encontrar irregularidades ou problemas procura descobre quais são os motivos; suspende os valores em que os preços estão acima do valor de mercado e no final, alerta a empresa das suas constatações. As empresas não gostam de divulgar pareceres de auditoria com indicações de irregularidades encontradas. Caso tudo esteja correto, também informa à empresa em seu parecer positivo.


Bibliografia
1: TAKATORI, Ricardo Sussumo, Análise de Balanços, 2014